10 de novembro de 2018

Que nunca nos falte “o pão de cada dia”

Hoje, 10 de novembro, comemoramos o Dia do Trigo. Todos têm consciência da importância do trigo na agricultura e economia brasileira. O cereal está especialmente associado à produção do pão, que faz parte da vida dos homens há milhares e milhares de anos. Aliás, o consumo da farinha de trigo e de seus derivados – pães, […]

Hoje, 10 de novembro, comemoramos o Dia do Trigo. Todos têm consciência da importância do trigo na agricultura e economia brasileira. O cereal está especialmente associado à produção do pão, que faz parte da vida dos homens há milhares e milhares de anos.

Aliás, o consumo da farinha de trigo e de seus derivados – pães, massas, bolos, biscoitos – , além de gostoso, é fundamental para uma alimentação equilibrada. O trigo é um dos principais fornecedores de energia para o dia a dia, é fonte de carboidratos, proteínas, gordura, fibra, cálcio, ferro, ácido fólico.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), o trigo é o segundo alimento mais consumido no mundo. Só em 2017, foram consumidas mais de 740 milhões de toneladas.

Mas, além disso, é interessante parar para pensar que o trigo tem um significado quase que sagrado. É consumido pelo homem “desde sempre”, visto que foi produzido na Babilônia e no Egito da época dos faraós.

Ao longo do tempo, o cereal começou a ser associado à prosperidade, fertilidade e felicidade. É visto até como um “amuleto” por alguns povos.

Isso sem falar que é o trigo que dá origem ao pão que, sobretudo, está associado  a Jesus Cristo, o “pão da vida” (pois, assim como Jesus, o grão de trigo, quando cai na terra, necessita primeiro morrer para depois gerar a vida que abençoará a quem dele comer).

Na Bíblia, aliás, há inúmeros textos que citam o trigo. Mas, sem entrar profundamente em nenhum aspecto religioso, vale refletirmos sobre o valor deste cereal que, inevitavelmente, está na mesa e na vida de todas as famílias. E que nunca nos falte “o pão de cada dia”!