14 de maio de 2019
  • Blog Mundo Mãe
  • 14/5 – Dia da Conscientização sobre a Apraxia de Fala na Infância

14/5 – Dia da Conscientização sobre a Apraxia de Fala na Infância

O dia 14 de maio é o Dia da Conscientização sobre Apraxia de Fala na Infância. No Brasil estima-se uma prevalência de 1 para cada 1000 crianças e nos EUA, 2 para cada 1000 crianças. O objetivo do artigo de hoje é oferecer informações que alertem para esta condição que, infelizmente, ainda é pouco conhecida […]

O dia 14 de maio é o Dia da Conscientização sobre Apraxia de Fala na Infância. No Brasil estima-se uma prevalência de 1 para cada 1000 crianças e nos EUA, 2 para cada 1000 crianças.

O objetivo do artigo de hoje é oferecer informações que alertem para esta condição que, infelizmente, ainda é pouco conhecida e diagnosticada no nosso país.

A criança “que não fala”, que apresenta atraso na aquisição e desenvolvimento da linguagem verbal, costuma ser preocupação frequente e de procura por especialistas precocemente.

A questão é que muitos profissionais costumam orientar os pais que o desenvolvimento da linguagem verbal tem suas particularidades e que “cada criança tem o seu tempo”. Embora cada criança se desenvolva dentro da sua individualidade, existem marcos do desenvolvimento que devem ser respeitados e qualquer atraso ou perdas de habilidades já adquiridas devem ser um sinal de alerta para intervenção adequada, independente do diagnóstico.

Nos primeiros anos de vida, a neuroplasticidade (capacidade que o nosso cérebro tem em se adaptar, moldar, estabelecer novas conexões cerebrais quando sujeito a estimulações e novas experiências) se encontra em sua fase mais intensa e em ritmo frenético. Esses anos são muito importantes para estimularmos a criança que apresente qualquer atraso em seu desenvolvimento. Na estimulação do desenvolvimento da fala, estes primeiros anos são cruciais!!!

A Apraxia de Fala é definida como um distúrbio neurológico motor que afeta a habilidade em produzir e sequencializar os sons da fala, na ausência de déficits neuromusculares. A Apraxia de fala reduz a capacidade de produzir corretamente sílabas e palavras tornando a comunicação verbal limitada e/ou pouco clara.

Pode ser adquirida quando causada por algum insulto em área cerebral responsável pela percepção e planejamento motor da fala como: acidente vascular cerebral (AVC), má formação do SNC, infecções, traumas, anóxia neonatal, entre outros, durante ou após o nascimento da criança ou ainda ser idiopática (causa desconhecida).

Como existem diferentes tipos e causas para atrasos e distúrbios da fala e da linguagem, a Apraxia de Fala é, muitas vezes, confundida com outras condições.

Para o diagnóstico, são necessárias a avaliação de um especialista em desenvolvimento infantil (neuropediatra) e uma avaliação fonoaudiológica. A profissional capaz de avaliar todas as questões detalhadas do desenvolvimento da fala é a fonoaudióloga.

Geralmente só é possível diagnosticar a Apraxia de Fala após os 2 -3 anos, quando é esperado que a criança já seja capaz de produzir um maior repertório de sons da fala e compreenda  instruções necessárias para uma avaliação especializada.

Aspectos emocionais e cognitivos devem fazer parte da avaliação e diagnóstico diferencial.

As características e sintomas envolvidos na Apraxia de Fala não estão relacionados diretamente a alterações de hipofuncionamento, musculares e das estruturas fonoarticulatórias, mas sim, à falha na informação da percepção e planejamento motor dos movimentos que exijam uma sequência e organização (sopro, bico, por exemplo) e sons (fala).

Os principais sinais da Apraxia de Fala na Infância são:

  • Pequeno repertório de palavras e erro na hora de pronunciar as vogais ou as consoantes;
  • Uso somente de vogais para pronunciar algumas palavras (usa, por exemplo, “ao” para se referir a “gato”);
  • Uso de somente uma sílaba da palavra;
  • Domínio para falar somente palavras de uma sílaba (como “boi”);
  • Dificuldade na hora de repetir uma sequência, como, por exemplo, “ta/ta/ta” ou “pa/ka/ta”;
  • A criança pode falar uma vez determinada palavra e depois não repetir mais vezes;
  • Uso de gestos para substituir algumas palavras;
  • Fala lenta ou acelerada;
  • Entonação e/ou acentuação errada na hora de pronunciar algumas palavras;
  • Dificuldade na movimentação dos lábios e/ou língua (na hora de “mandar beijinho” ou “fazer bico”, colocar a língua para fora, para cima) – entende o comando, mas não é capaz executar;
  • Criança não consegue encher a bochecha com ar e/ou apresenta sopro baixo;
  • Dificuldade para mastigar e se alimentar de forma geral, preferindo alimentos pastosos;
  • Dificuldade para controlar a saliva;
  • Dificuldade para tarefas que precisam de controle voluntário;
  • Os pais percebem que a criança compreende a ordem, conhece a palavra, se esforça para falar, mas não é capaz de produzir o som da palavra adequadamente.

Crianças com Apraxia de Fala podem se tornar mais introspectivas e de difícil interação social por apresentarem dificuldade em se comunicar verbalmente.

Importante ressaltar que, na Apraxia de Fala isolada, há intenção comunicativa e capacidade de se comunicar através de outros recursos de linguagem preservados.

Distúrbios de praxia de fala podem estar presentes isoladamente ou como comorbidades com outras condições como: Transtorno do Espectro Autista (nem sempre o diagnóstico diferencial ou como comorbidade no autismo é fácil!), síndromes genéticas (por exemplo, Síndrome de Down, Síndrome do X frágil, Síndrome de Prader-Willi), TDAH, algumas síndromes epilépticas, erros inatos do metabolismo (galactosemia), entre outros.

A terapia fonoaudiológica deve ser individual, intensiva, precoce e adequadamente planejada. A suspeita diagnóstica de Apraxia de Fala justifica a intervenção imediata, mesmo sem diagnóstico fechado.

É importante que durante este processo de intervenção a criança seja capaz de se expressar por outros meios, para não se perder momentos importantes de aprendizagem (gestos, escrita, figuras podem ser recursos utilizáveis).

O treino da fala deve ser continuado em casa pelos pais e cuidadores para potencializar o tratamento.

A intervenção precoce e especializada fará a diferença não somente no desenvolvimento da fala, mas também nas questões sociais e emocionais da criança.

Crianças com Apraxia de Fala:

SABEM mais do que DIZEM

PENSAM mais do que FALAM

ENTENDEM mais do que você IMAGINA!

Dra. Deborah Kerches de Mattos Aprilante (@dradeborahkerches), CRM 102717-SP, é neuropediatra, especialista em Transtornos do Espectro Autista, diretora do Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil de Piracicaba. É palestrante sobre Transtornos do Espectro Autista, membro da Sociedade Brasileira de Neuropediatria, da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil (ABENEPI), da Academia Brasileira de Neurologia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia. É ainda preceptora do Programa de Residência Médica em Pediatria da Prefeitura do Município de Piracicaba com Especialização em Preceptoria pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês. E-mail: deborahkerches@gmail.com