1 de novembro de 2019

Você sabe o que é foniatria?

A foniatria é uma área de atuação médica que cuida de adultos e crianças com problemas de comunicação, de linguagem e de aprendizagem. Antes de 2006, a Foniatria era considerada uma especialidade médica, mas de acordo com a resolução CFM 1785/2006, a Foniatria foi colocada como área de atuação da otorrinolaringologia. Ter uma boa audição […]

A foniatria é uma área de atuação médica que cuida de adultos e crianças com problemas de comunicação, de linguagem e de aprendizagem.

Antes de 2006, a Foniatria era considerada uma especialidade médica, mas de acordo com a resolução CFM 1785/2006, a Foniatria foi colocada como área de atuação da otorrinolaringologia.

Ter uma boa audição é fundamental para aprender a falar, no entanto, não é o único pré-requisito.  Falar faz parte de um complexo sistema que deve funcionar adequadamente e em conjunto, como o sistema auditivo, motor, cognitivo e psíquico.

Pensamos em uma língua, expomos nossas ideias, pensamentos, aprendemos sobre as regras de convivência, sobre uma cultura, sobre relacionamentos. O atraso na aquisição da fala pode ser um importante sinal de alerta para uma série de transtornos do desenvolvimento.

Há marcos importantes a serem notados no desenvolvimento de uma criança:  quando sentou, quando firmou a cabeça, quando andou e quando falou também.  O bebê já tem intenção comunicativa e manifesta isso com o choro primeiramente e depois através de expressões faciais, balbucios, gritinhos e risadas. Isso o faz sobreviver e também o torna humano, estreita o vínculo afetivo com seus pais e cuidadores.

Atrasos nessa aquisição de fala não devem ser menosprezados. Não podemos achar que a criança é preguiçosa, que tem o tempo dela… É claro que cada criança tem seu tempo, mas os marcos do desenvolvimento devem ser observados e a criança que tem um atraso deve ser monitorada.

Alterações na linguagem oral podem evoluir para alterações na linguagem escrita, portanto é crucial que se faça o diagnóstico precoce e a terapia adequada a cada caso.

O papel do médico foniatra é ajudar nesse diagnóstico, entender o que está errado, se é um transtorno de linguagem receptiva, ou seja, a criança não entende ou não escuta o que é falado, ou se é um transtorno de linguagem expressiva, ou de fala propriamente dito.  Ainda nesse contexto, existem outros diagnósticos diferencias que devem ser feitos como transtorno de Desenvolvimento da Linguagem (TDL), Transtorno do Espectro Autista (TEA), transtornos fonológicos, Transtornos globais do desenvolvimento, deficiência intelectual, entre outros.

No caso de qualquer dúvida, é importante uma avaliação especializada do médico otorrinolaringologista que atue em foniatria. Sabemos que essas crianças precisam de atendimento multidisciplinar, e é fundamental a terapia com fonoaudiólogas, terapeutas ocupacionais, psicólogas, psicopedagogas, neuropediatras e pediatras.  A equipe coesa, que se conversa e pensa no paciente como um todo, ajuda e muito no diagnóstico e prognóstico da criança.

Dra. Carolina Schäffer Kalaf é médica formada pela Puc Campinas (2000-2005). Residência médica em otorrinolaringologia na Puc Campinas (2006-2009). Médica assistente do hospital e maternidade Celso Pierro e formação de residentes na Puc Campinas 2009-2013. Pós-graduada em Foniatria pela ABORLCCF em 2018. Fellow em Foniatria na Puc SP 2019. Membro da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia ABORLCCF e da Sociedade Brasileira de Otorrinopediatria. E-mail: carolinaschaffer@hotmail.com