6 de janeiro de 2020

Como estimular a leitura nas férias

Muitas pessoas, quando entram em férias, querem viajar e esquecer o estresse de um ano todo, para isso nada melhor que selecionar um livro como seu companheiro de viagem. A leitura nos enriquece como seres em evolução, amplia o nosso conhecimento e vocabulário, nos ajuda a não só fugir de pensamentos negativos, mas também  da […]

Muitas pessoas, quando entram em férias, querem viajar e esquecer o estresse de um ano todo, para isso nada melhor que selecionar um livro como seu companheiro de viagem.

A leitura nos enriquece como seres em evolução, amplia o nosso conhecimento e vocabulário, nos ajuda a não só fugir de pensamentos negativos, mas também  da solidão. Ao depararmos com os conflitos das personagens, passamos a ter uma forma nova de encarar os nossos próprios desafios, pois todo enredo nos deixa uma reflexão.

Mas, será que o impacto das novas tecnologias sobre o livro de papel nos afasta do prazer pela leitura? A disseminação da tecnologia da informação e seus suportes não afetam as nossas práticas de leitura, ainda lemos muito e temos a tecnologia facilitando o nosso acesso ao livro digital. E essa diversidade dos instrumentos tecnológicos invade o mundo da leitura. No entanto, estes dispositivos vertiginosamente velozes contribuem para uma interpretação e compreensão eficiente?

Se ler é uma atividade essencial às pessoas, até mesmo em seus momentos de lazer, por que será que a leitura de um livro é algo cada vez menos feito pelo brasileiro? Temos uma nova geração acostumada a ler tudo online, superficialmente, logo apresentam dificuldades em leituras mais profundas e críticas em um texto complexo.

A neurocientista cognitiva Maryanne Wolf, pesquisadora da Universidade da Califórnia em Los Angeles, recebe em seu consultório muitas queixas de pessoas que não conseguem mais se concentrar em textos longos ou mergulhar numa leitura mais profunda como conseguiam antes. Segundo Wolf, “as pessoas estão percebendo que algo está mudando em si mesmas, que é seu poder de leitura. E há um motivo para isso. É o excesso de tempo em telas (celulares, tablets, computadores) e esses hábitos digitais estão associados à nossa forma de processar as informações que lemos.”

Outra pesquisa referente à autora aconteceu no Centro de Dislexia, Aprendizagem Diversa e Justiça Social, estudos demonstram que “A realização de múltiplas tarefas simultaneamente online dá aos jovens a capacidade de lidar com múltiplos fluxos de atenção, mas cria dependência de dopamina e desestimula a memória”.

Se os nossos filhos fazem parte da geração Z (idades entre 10 a 24 anos) e a Alpha considerada até 9 anos de idade, se nasceram em um mundo onde os algoritmos os estimulam a se manterem clicando e navegando de uma forma frenética, como motivá-los e aproximá-los de um livro nas férias?

A crítica literária e escritora Marta Morais da Costa, dá algumas dicas para incentivarmos nossos filhos e a nós mesmos à leitura nas férias. Para a especialista, somos bons exemplos ao presentear crianças e jovens com livros, mas respeitar o gosto da criança e do jovem adolescente por um determinado gênero literário, desde que seja específico de cada idade, é essencial. Portanto, organizar um tempo para a leitura em família é um bom caminho.

A leitura ajuda a ampliar os horizontes e melhora o repertório do leitor. Aproximar o seu filho ou filha a ela, ajudará a desenvolver a imaginação e as emoções, além de contribuir para acalmar a mente, amadurecer e descobrir afinidades. A leitura pode desencadear novos contatos familiares, novas conversas e trocas de experiências e é boa alternativa para dias chuvosos.

Para finalizar, a leitura é uma das habilidades mais importantes e fundamentais desenvolvidas por nós, seres humanos, ela nos fortalece e nos dá o suporte para a compreensão de mundo. Mesmo sendo um curto período, as férias tendem a ser os melhores dias do ano, por isso, aproveitem!!

 

Valéria Mello é Pedagoga e Professora de Língua Portuguesa, atual Coordenadora de Códigos e Linguagens em uma escola de Programa de Ensino Integral.