29 de janeiro de 2020
  • Blog Mundo Mãe
  • Janeiro Branco: o que é TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo)

Janeiro Branco: o que é TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo)

O TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) pode iniciar já na infância e adolescência e a prevalência parece ser similar em adultos. Mais de 1/3 dos adultos com TOC tiveram seus sintomas iniciais na infância. É mais comum em pessoas ansiosas; inflexíveis; com tendência ao perfeccionismo e preocupações, por ex. com regras, moral, organização, horários. Caracteriza-se por […]

O TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) pode iniciar já na infância e adolescência e a prevalência parece ser similar em adultos. Mais de 1/3 dos adultos com TOC tiveram seus sintomas iniciais na infância. É mais comum em pessoas ansiosas; inflexíveis; com tendência ao perfeccionismo e preocupações, por ex. com regras, moral, organização, horários.

Caracteriza-se por obsessão (pensamentos, ideias) e compulsão (ações repetitivas). Estes pensamentos persistentes geram angústia e ansiedade e as ações compulsivas seriam uma tentativa de controlá-los. Os sintomas tendem a mudar ao longo da vida.

Assim como adultos, crianças e adolescentes tendem a ocultar os sintomas. Nem sempre manias e rituais em crianças são valorizados por pais e professores, mas quando ocorrem em grande intensidade e persistem de modo a causar prejuízos na rotina da criança, merecem atenção.

Cabe aos pais e demais adultos da convivência estarem atentos à rotina e comportamento da criança/adolescente. Sintomas mais frequentes: rituais de higiene repetitivos e exagerados; repetições de ações; checagens e contagens compulsivas, deixar tudo simétrico; entre outros.

O TOC costuma causar grande sofrimento psíquico para eles; a criança pode achar que se não cumprir determinada tarefa, algo de muito ruim pode acontecer; passam a ter ideias de autopunição pois acham que tudo de errado que acontece é consequência de algo que deixou de fazer. O TOC pode expor a criança/adolescente ao bullying e predispor a outros transtornos psiquiátricos. Muitos tendem a se isolar, evitar contato social.

O TOC na infância e adolescência pode afetar a vida emocional, social e comprometer o rendimento escolar à medida que os pensamentos obsessivos, rituais e compulsões os tornam mais desatentos e, naquelas em que há manifestação de perfeccionismo, a criança pode ficar focada em detalhes e não ampliar o repertório de aprendizagem.

O tratamento para o TOC infantil prevê psicoterapia comportamental, medicação quando necessário, suporte familiar e escolar. Quanto mais precoce o diagnóstico e tratamento, melhor o prognóstico e qualidade de vida.

Dra. Deborah Kerches de Mattos Aprilante (@dradeborahkerches), CRM 102717-SP, RQE 23262-1, é neuropediatra, especialista em Transtornos do Espectro Autista, diretora do Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil de Piracicaba. É palestrante sobre Transtornos do Espectro Autista, membro da Sociedade Brasileira de Neuropediatria, da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil (ABENEPI), da Academia Brasileira de Neurologia e da Sociedade Brasileira de Cefaleia. É ainda preceptora do Programa de Residência Médica em Pediatria da Prefeitura do Município de Piracicaba com Especialização em Preceptoria pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês. E-mail: deborahkerches@gmail.com