2 de julho de 2020

Arte, o despertar consciente

Criatividade é a capacidade de imaginar alguma coisa e transformá-la em realidade, também é o que distingui os humanos dos outros animais. O primeiro contato que temos com este potencial criativo é na infância. São muitas as formas de criar, seja nas brincadeiras, músicas, esculturas de massinha, brincando na areia, blocos de montar, nos desenhos, […]

Criatividade é a capacidade de imaginar alguma coisa e transformá-la em realidade, também é o que distingui os humanos dos outros animais. O primeiro contato que temos com este potencial criativo é na infância. São muitas as formas de criar, seja nas brincadeiras, músicas, esculturas de massinha, brincando na areia, blocos de montar, nos desenhos, ou até resolvendo pequenos problemas.

Impossível falarmos de criatividade sem pensar em arte, e as expressões artísticas mais próximas da criança são o desenho e a pintura. Estas atividades além de fortalecerem os aspectos cognitivos em relação ao potencial criativo, também fortalecem a sensibilidade e são uma excelente ferramenta da expressão das emoções. A arte é capaz de externalizar nossos desejos e angústias, acalmar nosso interior, nos aproximando do processo de equilíbrio emocional.

Minha filha Clara de 10 anos, faz aulas de desenho e aquarela com a professora Fernanda Provinciatto. Além de observar seu interesse pela atividade e desenvolvimento de habilidades, o que me chama mais a atenção é a sensibilidade desenvolvida para situações do cotidiano, como, por exemplo: “mamãe, este céu parece uma pintura em aquarela”.  Despertar este olhar consciente muda a forma como vemos a vida. Possibilitar o desenvolvimento desta sensibilidade humana, que é única e não tem idade para começar, é um dos maiores legados que podemos deixar para nossos filhos.

Quando passamos a ver criação e arte, em tudo que está ao nosso redor, desenvolvemos o olhar da contemplação e, neste olhar, colocamos em prática umas das virtudes mais essências para a vida:  a GRATIDÃO.

Renata Bandel é mãe da Clara (10 anos) e do Pedro (6 anos), psicanalista clínico, com especialização em “Pensamento Criativo” pela Imperial College London e pós-graduanda em Neurociência e Comportamento.